Marina Silva
REDE

Artigo Folha: O resgate clínico da política

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo em 11/01/2017

Os pensadores contemporâneos certamente oferecerão ao mundo uma ampla e profunda análise da obra do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, que morreu nesta segunda-feira aos 91 anos. Tenho sido leitora de seus textos instigantes há pelo menos uma década e, sem me atrever a analisá-los com a amplitude e profundidade que gostaria, sinto-me no dever de expressar minha gratidão por ter neles encontrado uma superfície de apoio nos desafios gigantescos da ação política no interior da crise que a civilização humana enfrenta.

O literato bíblico Russell Norman Champlin, em sua Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, considera inestimável a contribuição de Sigmund Freud ao mundo moderno ocidental, mesmo não tendo este professado nenhuma fé, e o homenageia em termos cristãos: “quando consideramos homens como Freud, apesar de discordamos de muitas de suas conclusões, também devemos notar suas contribuições pessoais. E assim fazendo, sabemos que estavam servindo à verdade. E a verdade afinal de contas, é Deus”.

Zygmunt Bauman nos deixa depois de longos anos de profundo e sincero compromisso com a busca da verdade, avançado em idade, mas pleno de admirável e paradoxal novidade de vida. Para este que podemos considerar o filósofo clínico do adoecimento cínico em que se transformou a política, repito e dedico estas palavras que o escritor bíblico escreveu para Freud, o grande clínico da alma humana.

A dedicação e talento de Bauman para desvendar a fragilidade das convenções criadas para dar suporte aos empreendimentos humanos, que são sempre ações de natureza política, só era menor que o seu compromisso com a busca da verdade. Este compromisso se mantinha mesmo quando resultava em liquefazer – ou desmanchar no ar – até mesmo as mais sólidas certezas. É o que expressa, com desprendimento, logo na introdução de A Ética é Possível Num Mundo de Consumidores:

“O esforço para compreender o mundo, aqui e agora, em aparência familiar, mas que não nos poupa de surpresas, negando hoje o que ontem sugeria ser verdade, oferecendo poucas garantias de que aquilo que consideramos verdade ao entardecer de hoje não será refutado amanhã, ao nascer do sol – é de fato uma luta. Uma luta, pode-se dizer, árdua – sem dúvida uma empreitada assustadora e permanente –, para sempre inacabada”.

O reconhecimento da incerteza inerente ao pensar não implicava em descuido com a imprescindível necessidade de construir alguma superfície de sustentação, onde se torna possível um suporte para as demandas do outro, esse outro carente de nosso amparo para aprender a ser gente.

Vivemos tempos de horror, onde a vida nem pode ser chamada de Severina, como fez o poeta, pois sequer é dado o direito de morrer parecendo ser de velhice antes dos trinta. Morre-se dentro e fora das cadeias, por falta de humanidade tanto fora quanto dentro delas, em qualquer idade, na barbárie que nos habita.

Nestes tempos, encontramos apoio no pensamento generoso do filósofo que tentava vencer a gesticulação cínica da política com o gesto clínico do compromisso amoroso com a vida. Bauman mostra que é possível encontrar água boa nas profundezas, abaixo das pedras. Como ele mesmo indica, no livro já citado, amor que ensina gente a ser gente não pode ser demanda, tem que ser oferta: “os outros têm que nos amar primeiro, para que possamos começar a amar a nós mesmos”.

O que aproxima gente de gente e gente de Deus é a verdade do amor como oferta, Jesus já o dizia: “amai uns aos outros como eu vos amei”. E Bauman a si mesmo se implica, quando diz que faz a diferença não apenas para si mesmo. “O que digo, o que sou e faço contam – e isso não é apenas uma viagem de minha imaginação. O que quer que haja no mundo ao redor de mim, esse mundo seria mais pobre, menos interessante e menos promissor se eu de repente deixasse de existir”.

Bauman se vai, mas não deixa de existir. Permanece a diferença que fez como legado, perenizando sua presença.

Artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo

 

 

Comentários

Conteúdo relacionado:


Artigo Valor: O sentido da perda

+ Leia Mais

Artigo Valor: Arquiteto de ruínas

+ Leia Mais

Artigo Valor: O lado esquecido da crise

+ Leia Mais

Continue navegando: