No Acre, Marina condena o voto com o “fígado” e diz que País já sofreu com a polarização *

Ao chegar nesta tarde em Rio Branco, a candidata da coligação REDE-PV, Marina Silva, disse que a população brasileira deve ter a consciência de que uma eleição em dois turnos vota-se em quem se acredita. Destacando o difícil momento pelo qual o Brasil passa, a candidata reafirmou que seu projeto é para unir o país e que o eleitor pode evitar “o fundo do poço”, dando seu voto pensando no Brasil.

“Não se vai dar o voto do fígado, se dará o voto de coração: do coração de um Brasil que clama para que a gente pare com a polarização. Já sofremos muito com a polarização PT e PSDB, que nos trouxe para o fundo do poço. Agora ela está mais agravada. As pessoas não podem votar porque têm medo ou têm raiva”, declarou.
A candidata defendeu “o voto na confiança” e insistiu que não pode haver uma sociedade dividida. “Uma casa dividida não pode subsistir”, ressaltou.

Para Marina, um presidente precisa se comprometer com o que é possível fazer, com propostas reais e governar para todos, sem excluir nenhum grupo. A candidata enfatizou seus compromissos com saúde e educação de qualidade, emprego, segurança pública e credibilidade para o país voltar a crescer.

Ao chegar à capital acreana, Marina disse que se reencontrava com suas verdadeiras raízes e se emocionou a falar da ausência do pai, Pedro, falecido recentemente. “É a primeira vez que vivo a experiência de chegar aqui e não encontrar meu pai, mas o caráter que ele imprimiu em mim e minha família é o que tenho a oferecer de melhor ao Brasil “, finalizou.